quarta-feira, fevereiro 01, 2006

DIMASDUTO: Jefferson confirma o recebimento de R$ 75 mil do caixa 2 de Furnas

O deputado Roberto Jefferson confirmou em depoimento a Polícia Federal ter recebido R$ 75.000,00 do caixa 2 gerenciado por Dimas Toledo, ex-diretor de engenharia de Furnas. O suposto pagamento consta de uma lista de repasses, escrita em papel timbrado de FURNAS, cuja assinatura de Dimas teve a autenticidade reconhecida pelo perito Ricardo Molina de Figueiredo.

O esquema, conhecido como DIMASDUTO, lista repasse de dinheiro de caixa 2 a diversos políticos da oposição, como José Serra, Geraldo Alckimin, Aécio Neves, Rodrigo Maia, Eduardo Paes, ACM Neto, Alberto Goldman, entre outros.

O documento citado pode ser visto nesse mesmo blog ou no endereço:
DIMASDUTO: a farsa tucana


A seguir segue a reportagem publicada na Folha de São Paulo, onde se cita o
documento, diz que este listaria diversos candidatos, mas em nenhum momento cita nomes... correto, uma vez que o caso ainda está sendo investigado, no entanto, esse comportamento ético não é verificado quando os acusados são outros...


Jefferson diz ter recebido R$ 75 mil de Furnas
FOLHA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O deputado cassado Roberto Jefferson (PTB-RJ) confirmou em depoimento à Polícia Federal ter recebido R$ 75 mil de caixa dois gerenciado por funcionários da estatal Furnas Centrais Elétricas.

O suposto pagamento consta de um conjunto de papéis investigados pela PF no inquérito que tem como alvo supostas irregularidades denunciadas por Jefferson em entrevista à Folha publicada em junho do ano passado.

Na ocasião, Jefferson atribuiu o comando do suposto esquema a Dimas Toledo, então diretor de Engenharia de Furnas. "Ele [Toledo] explicou que sobram R$ 3 milhões por mês em Furnas. Desse total, R$ 1 milhão vai para o PT nacional, pelas mãos de Delúbio [Soares, ex-tesoureiro do PT]", afirmou Jefferson na ocasião.

No depoimento, realizado no Rio, na quarta passada, Jefferson disse que recebeu o pagamento em espécie, em seu gabinete, das mãos de Toledo.

A estatal controla dez hidrelétricas e atua no Distrito Federal e nos Estados de São Paulo, Minas, Rio, Espírito Santo, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Paraná e Rondônia, onde estão 51% dos domicílios do país.

A contabilidade paralela investigada pela PF indica um caixa dois, gerenciado a partir de Furnas, que chegaria a R$ 40 milhões. O dinheiro teria sido conseguido "por intermédio de Furnas, entre colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços, construtoras, bancos, fundos de pensão, corretoras de valores e seguradoras", segundo diz o cabeçalho de um desses papéis.

Questionado quanto a pagamento feito para outros políticos, Jefferson disse que somente poderia responder pelo seu caso. Conforme os papéis -que são cópia de uma cópia autenticada-, 156 candidatos a presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual de diversos Estados e partidos receberam recursos, nas eleições de 2002, por meio do esquema.

Jefferson confirmou ter prestado o depoimento. Disse, no entanto, que não comentaria o conteúdo de suas declarações.

A cópia da contabilidade tem autenticação em cartório e firma reconhecida para a assinatura de Toledo, que consta da quinta folha, logo após o registro de local e data no qual o documento teria sido elaborado: "Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2002".
Uma análise pericial preliminar revelou que a firma seria verdadeira. Porém haveria indícios de falsidade documental na autenticação do documento. A PF busca o original do documento. Paralelamente, trabalha para checar as informações nele contidas.

2 comentários:

Rafael 13 disse...

"Conforme os papéis -que são cópia de uma cópia autenticada-, 156 candidatos a presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual de diversos Estados e partidos...."

Essa Folha de SP eh uma merda, se tivesse alguem do PT sairia na capa! Essa é a imprensa brasileira!

Eu voto Lula 2006! disse...

To loco pra isso estourar de vez, quero ver a cara daquele bando do hipocritas explicando o inexplicavel!!!