quinta-feira, maio 18, 2006

Interesses Eleitoreiros: Cláudio Lembo solta os cachorros

Em entrevista a Folha o governador de São Paulo criticou aliados tucanos e elogiou a postura do Governo Federal na crise de segurança pública em São Paulo, além de esculhambar a elite paulistana.

Ficou muito claro na entrevista que enquanto FHC, Alckmin e Serra, diretamente ligados ao problema, se esquivavam dos fatos e isolavam o governador, com receio de perdas eleitorais, o Governo Federal ignorou as diferenças partidárias e se posicionou ao lado do governo de São Paulo.

Para que cada um tire as suas próprias conclusões sobre as declarações de Lembo, leia a entrevista completa aqui. A seguir seguem alguns dos principais trechos da entrevista:

Sobre a Burguesia:

"Nossa burguesia devia é ficar quietinha e pensar muito no que ela fez para este país"

"Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa"

"O que eu vi foram dondocas de São Paulo dizendo coisinhas lindas. Não podiam dizer tanta tolice. Todos são bonzinhos publicamente. E depois exploram a sociedade, seus serviçais, exploram todos os serviços públicos"

"... se nós não mudarmos a mentalidade brasileira, o cerne da minoria branca brasileira, não vamos a lugar algum"

Sobre os "Aliados":

"Eu acho que o presidente Fernando Henrique poderia ter ficado silencioso (...) Para opinar sobre um tema tão amargo, tão grave, ele teria que refletir, pensar. E se informar."

"O ex-governador Alckmin deu 2 telefonemas. Eu acho normal. Os pulsos [telefônicos] são tão caros..."

"José Serra não telefonou."

"Fernando Henrique não telefonou."

"É possível" (ao ser questionado se as autoridades paulistanas teriam iludido a população nos últimos anos sobre o PCC)

Sobre os "Inimigos":

"O presidente Lula telefonou, foi muito elegante comigo. Conversei muito com o presidente, ele me deu muito apoio."

"O Márcio [Thomaz Bastos] veio, conversamos firmemente, com lealdade. E ele chegou à conclusão que não era necessário nem Exército nem a guarda nacional. Tivemos uma conversa responsável, e o equilíbrio voltou."

"A superintendência da Polícia Federal em SP foi extremamente leal, solícita e dinâmica"

3 comentários:

Carlos E. Romanelli - Rio de Janeiro disse...

Em momentos de crise que conhecemos a verdadeira face das pessoas. Enquantos os tucanos fugiram da raia e fingiram que não tinha nada a ver com a situacao, Lula agiu de forma equilibrada e correta, deixando de lado as diferenças políticas e se colocando ao lado do governador.

Anônimo disse...

O PICOLE DE CHUCHU SO PENSA EM UMA COISA: PODER! VIDE SUA ATUACAO NA ESCOLHA DO CANDIDATO DO PSDB E AGORA NESSA TRAGEDIA EM SP. LAMENTAVEL!

Anônimo disse...

como se ele nao fizesse parte da "minoria branca"...